Regras da sensatez

27 de setembro de 2012

Hoje, a propósito de um comentário do género: “dizer boa-noite aos clientes pode parecer que estamos a tentar despachá-los” e que, naturalmente, motivou uma sessão de resmungos em loop da minha parte – com referências a “só se for nos antípodas da boa educação” e outras coisas menos agradáveis de se ouvirem e proferidas entredentes  – ocorreu-me que há uma série de expressões que passei a infância a ouvir e que, com o passar do tempo, à medida que ia desaparecendo quem as dizia, se extinguiram do meu vocabulário.

A minha mãe chamava “vocemecê” à minha avó. Os velhos diziam que estavam “rijos como o sol de inverno” e “até amanhã se Deus quiser” e “bem-haja” e “cachopa” e “abalar”. E mais coisas, tantas coisas de que tenho saudades. Que soavam tão bem e faziam tanto sentido e que eram tão doces como bem-educadas.

O mundo em que vivo vivemos hoje não anda: tropeça nele mesmo; e é feito de tantas incongruências que, mais vezes do que não, dou por mim aparvalhada a tentar perceber o que me atingiu com tanta violência e contradição. Tentamos tanto aprimorar formas de relação que nos transformamos na versão estilizada daquilo que deve ser um ser humano. Tão estilizado e aperfeiçoado [padronizado] que um simples “boa-noite” adquire uma dimensão maquiavélica e deixa de ser uma regra básica da boa educação.

This entry was posted on 27 de setembro de 2012. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

One Response to “Regras da sensatez”

  1. O que importa é que continuem a haver "cachopas" que não deixem "abalar" esses costumes, porque eles fazem parte do nosso passado, da nossa tradição, do nosso vocabulário.
    Por isso, "bem hajam" aqueles que reconhecem o valor das palavras!
    Um abraço e "até amanhã se Deus quiser"!
    :)

    ResponderEliminar