Migrações

24 de janeiro de 2014

Confesso que, depois de durante quase 8 anos ter visto a Leya produzir lixo e ter visto  as livrarias – a minha incluída -  tão cheias de nada, me apazigua um pouco esta migração que tem vindo a ocorrer de alguns bons autores para outras boas editoras. Também me apazigua verificar que ultimamente, apesar de tudo, se tem notado uma melhor escolha nas opções editoriais e que o mercado tem recebido livros e autores com um pouco mais de qualidade.  Mais me apazigua reconhecer que ao contrário do que muitos profetizavam e do que eu temia, as pequenas editoras não só conseguiram sobreviver como se impuseram como alternativa aos blockbusters editoriais. A Tinta da China, a Relógio D’Água e sim, a Quetzal – apesar do Francisco José Viegas que merecia todo um post menos abonatório - são, de todas, alguns dos melhores exemplos. Alguns dos melhores livros que li na última década chegaram-me pelas suas chancelas.

Claro que não quero que a Leya colapse, até porque isso significaria a ruína das editoras que fazem parte do grupo mas já ficava contente se a Leya voltasse a funcionar como um grupo editorial e cumprisse aí os requesitos mínimos e, por exemplo, ao invés de deixar esgotar os livros do Plano Nacional de Leitura antecipasse as necessidades do mercado. É que as escolas nem por isso alteram muitos os programas de ano para ano... o que significa que não há outra ciência a pôr em prática para além da de se estar preparado...

Com a Leya a resvalar,  a Porto Editora está a transformar-se no grande elefante editorial português e tem vindo a assimilar de forma cada vez menos discreta os bons autores. Não me admirava se Saramago fosse o próximo.  Claro que existe sempre o risco de a montanha parir um rato mas a verdade é que quando olhamos para este grupo vemos também uma família que sempre se dedicou aos livros e que os conhece como ninguém e que, sobretudo – sobretudo – os respeita;  por isso, aquilo que podemos esperar é que estejam e fiquem em boas mãos.

Como livreira e como leitora o que quero é que exista uma convivência salutar entre grandes e pequenas editoras. Há espaço para todos e para tudo, até para a má literatura que, nem por isso, deve ser excomungada. Mas acima de tudo, confesso, tenho saudades dos tempos em que abrir uma caixa de livros depreendia sempre que alguém dissesse  “uau!”.

This entry was posted on 24 de janeiro de 2014 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

2 Responses to “Migrações”

  1. Oh, caixas cheias de livros com aquele cheirinho característico... Happy days. :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Todos direitinhos e bonitinhos... é uma delicia.

      Eliminar